15.12.07

Os dois lados de um Natal

Quando temos seis anos, uma bicicleta parece ser o maior desafio do mundo. Lembro dos meus olhos surpresos ao ver o presente enorme conduzido pelo cara estranho vestido de vermelho. Nada contra o Papai Noel, nunca tive medo dele, mas convenhamos que é no mínimo curioso um senhor com tanta roupa em pleno verão.
A bicicleta rosa tinha um laço enorme da mesma cor. Fui desconfiada até o colo do velhinho e sentei, no entanto meu olhar estava fixo no objeto ao lado. Respondi as perguntas básicas como “Comportou-se bem durante o ano?”. Queria gritar: “Sim, Papai Noel, sou uma menina boazinha, mas dá pra tu me entregares de vez o meu presente?”. Acho que desse jeito ele não me daria nada, então optei por dizer um sim apressado.
O presente foi marcante para a pequena que na época só podia dar a volta na quadra. Hoje, percorri caminhos bem maiores e uma bicicleta já não tem o mesmo significado de independência. Entretanto, naquele momento era o meu sonho e o Natal fez com que ele se tornasse verdade.Desde então, vejo tal data com uma magia peculiar. A época natalina passou a significar a possibilidade de alcançar o que almejo. Sendo assim, gostaria de deixar uma mensagem de esperança. Que as pessoas sintam essa fantasia e não deixem nunca de sonhar. Esse é o meu pedido para o Natal 2007, além da máquina fotográfica digital.

2 comentários:

Thales Barreto disse...

Bonita a mensagem de Natal. Embora ateu (Graças a Deus) eu acho que natal é um tempo de festejar com seus familiares a esperança. Embora ache que, como festa religiosa, ela anda muito comercial. Esquecemos nossos valores reais. Parabéns Pelo texto. BJ.

Carolina Tavaniello disse...

Ah que tu tá graúda assinando texto na Folha do Mate!! Vamo gêmea!!