21.10.07

As coisas que deixam de existir

Em um domingo de ressaca me esforço para acordar e almoçar com a minha família. Após comer, uma preguiça gigante toma conta de mim e deito confortavelmente no sofá. Pego o controle da televisão e vou a busca de algo para me entreter.
Na frenética troca de canais encontro uma atração que provoca em mim um sorriso pueril. Começava naquele momento um episódio saudoso de Friends, para o meu delírio. Eu era viciada no seriado durante o tempo de colégio. Assisti feliz aquela meia hora nostálgica. Desejei que Friends não tivesse acabado.
Fico triste quando lembro de algo que gostava muito e que por algum motivo entra em extinção. Os seis amigos de Nova York são apenas um singelo exemplo. No entanto, posso citar outros memoráveis: Kit Kat (recordo da propaganda que tinha uma vaca e dava ênfase no barulhinho maravilhoso do chocolate), Fofys (os biscoitos de ursinhos mais perfeitos que já existiram) e uns chiclets compridos e fininhos que vinham em uma embalagem de latinha que não sei o nome.
Não entendo o motivo pelo qual coisas tão boas saem de mercado. No ramo das guloseimas o que me consola ainda é o chocolatinho Refeição, que inclusive mantém sua embalagem original. Se ele também não fosse mais encontrado não sei o que faria para saciar meus doces desejos.
Na televisão, episódios inéditos de Sex and the City ainda fazem muita falta. As quatro amigas me divertiram durante seis temporadas. Sendo assim, conto o tempo para o lançamento do filme em março de 2008 nos cinemas. Será um breve retorno, acredito que apenas um encerramento da trajetória de Carry, Samantha, Miranda e Charlotte, porém isso vai matar um pouco da saudade da série.
Com certeza cada um que ler esse texto vai lembrar de uma centena de coisas a mais que deixaram de existir, mas não saíram da nossa memória. Se for assim com tudo, expresso imediatamente meu sentimento de lamentação por esse sistema que tira pequenos prazeres da humanidade. Sei que era um ato de canibalismo devorar aqueles amados ursinhos Fofys de chocolate. Todavia, dava a ponta do meu mindinho pela sensação de retornar a infância com um daqueles pacotes vermelhos na mão. Quanta saudade.

4 comentários:

Samir Oliveira disse...

Tens razão Ananda. Nossa, devia ser inconstitucional Friends deixar de existir! É que nem Chaves, caverna do dragão e álbuns de figurinhas: nunca deveriam terminar. Mas, pelo menos quanto aos programas de tv, ainda podemos nos deliciar com as reprises. Fica sempre um gostinho de "quero mais", é claro...

Luana Fuentefria disse...

Ai eu a-mo Kit Kat!!!

Ainda existem no Uruguai. Caixas gigantescas!!! Vou comprar uma e te dou um pedaço, hehe.

Há tanta coisa que deixa de existir que deveriam ser eternas... Nossa infância é uma delas, e carrega consigo todas as outras.

Lembra das bolachinhas Maria recheadas? Eu sinto muita falta disso...

Carolina Tavaniello disse...

eu AMAVA os biscoitos fofys!! Lembra dos chicletes de pasta de dente? era um tubo igual pasta de dente, e a tampa era um tênis! muuuito bom!
dos seriados eu não sinto falta porque não via, mas das guloseimas...não preciso nem comentar né!

beijos

Liza Mello disse...

"Com certeza cada um que ler esse texto vai lembrar de uma centena de coisas a mais que deixaram de existir, mas não saíram da nossa memória"

lembrei de Blosson! e do pirulito das Spice Girls!!

ps: num desses Kzukas da Zero, tinha o texto de uma estudante de jornalismo q lamentava a extinção dos biscoitos Fofys.